Ban Ki-moon: “Exijo que a Coreia do Norte cesse todas as atividades nucleares”

Posted on janeiro 6, 2016

0


Ban Ki-moon: “Exijo que a Coreia do Norte cesse todas as atividades nucleares”

06/01/2016 15h43Nova York (Estados Unidos)
Da Agência Lusa
O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, faz uma declaração à imprensa sobre o teste nuclear realizado pela Coreia do Norte (Agência Lusa/Direitos Reservados)
Para Ban Ki-moon, o teste nuclear realizado pela Coreia do Norte é “profundamente desestabilizador para a segurança regional”Agência Lusa/EPA/Justin Lane/Direitos Reservados
O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, condenou hoje (6) o teste nuclear feito pela Coreia do Norte e exigiu que o país “cesse todas as atividades nucleares”.

Países condenam teste nuclear anunciado pela Coreia do Norte

“Condeno-o inequivocamente. Exijo que a RPDC [República Popular Democrática da Coreia, nome oficial] cesse todas as atividades nucleares”, disse Ban Ki-moon, em uma declaração à imprensa antes do início de uma reunião de emergência do Conselho de Segurança sobre a situação.

Para o secretário-geral, o teste – o quarto realizado pelo regime de Pyongyang – é “muito preocupante”, “profundamente desestabilizador para a segurança regional” e “gravemente nocivo para os esforços internacionais de não proliferação [nuclear]”, acrescentou.

Ban Ki-moon sublinhou ainda que o ensaio nuclear constitui uma “nova violação flagrante de várias resoluções do Conselho de Segurança” que proíbem Pyongyang de realizar atividades nucleares.

A Coreia do Norte anunciou hoje ter realizado um ensaio bem-sucedido de uma bomba de hidrogénio com “um dispositivo miniaturizado”.

Três ensaios nucleares norte-coreanos, realizados em 2006, 2009 e 2013, levaram à imposição de uma série de sanções da ONU ao país.

Entenda o potencial da bomba H testada pela Coreia do Norte

02:44 Internacional, Notícias 06/01/2016 – 16h05 Brasília Embed
Danyele Soares
O teste feito pela Coreia do Norte com uma miniatura de bomba de hidrogênio ganhou repercussão não só na diplomacia internacional, mas também na comunidade científica. O caso levou cientistas a debaterem o potencial de destruição do armamento.

A bomba H, como é conhecida, tem uma potência até mil vezes maior que a bomba atômica e, por isso, pode ter provocado um tremor de terra que foi sentido na região. Enquanto a bomba atômica gera energia a partir da fissão de átomos, ou seja, a divisão, o artefato de hidrogênio tem energia a partir da fusão, ou união.

O pesquisador Luis Terremoto, do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares na Universidade de São Paulo, explica a diferença no potencial de destruição entre as bombas. Ele diz que um megatom, ou seja, um milhão de toneladas de dinamite, pode destruir um raio de 50 quilômetros. A bomba H possui dezenas de megatons.

O anúncio também intensificou a tensão internacional sobre a Coreia do Norte. É o que afirma o professor de Relações Internacionais da Universidade de Brasília, Antônio Jorge da Rocha. Ele explica que o país vai continuar isolado na relação com outras nações, o que favorece o regime totalitário do líder comunista Kim Jong-un.

Segundo o professor, o país deve seguir seu posicionamento em relação a bombas nucleares, mesmo após várias nações condenarem o teste.

Segundo o pesquisador Luiz Terremoto, cinco países já fizeram testes com a bomba de hidrogênio: Estados Unidos, extinta União Soviética, Reino Unido, França e China.

Leia mais na Agência Brasil

Países condenam teste de bomba de hidrogênio pela Coreia do Norte
A explosão provocou um tremor de 5 graus de magnitude em uma conhecida zona de testes nucleares do país

A Coreia do Norte anunciou nesta quarta- feira (6) ter feito um teste bem-sucedido com uma miniatura de bomba de hidrogênio. É o 4º teste com arma nuclear feito pelo país, mas dessa vez foi realizado com bomba de hidrogênio que é mais poderosa e pode ser até 50 vezes mais potente que uma bomba nuclear.

A explosão aconteceu ás 23h30 de terça- feira (horário de Brasília) e provocou um tremor de 5 graus de magnitude em uma conhecida zona de testes nucleares do país.

A ação teve forte repercussão internacional. A China condenou fo teste e evacuou moradores e trabalhadores de três cidades próximas a fronteira com a Coreia do Norte pelo impacto do abalo em edifícios e escritórios chineses. O 1º ministro do Japão, Shinzo Abe qualificou o teste de grave desafio e séria ameaça a região.

A Coreia do Sul condenou a explosão com veemência e disse que o governo norte-coreano pagará por essa afronta. Já os Estados Unidos, prometeram uma resposta a altura da provocação e o governo francês pede uma resposta forte do que considera uma violação inaceitável das leis internacionais. O teste surpresa da bomba a gás norte coreana foi autorizada pessoalmente pelo ditador Kim Jong -Un.

O conselho de segurança da ONU faz uma reunião de emergência nesta tarde em Nova York para discutir uma resposta que deve incluir novas sanções ao país.

Anúncios