Brasil, extrema seca vista do espaço pela NASA

Posted on novembro 4, 2015

0


Brasil, extrema seca vista do espaço pela NASA

 

Para mais informações: http://www.nasa.gov/feature/goddard/nasas-grace-satellites-evaluate-drought-in-southeast-brazil~~number=plural reservatórios vazios de água, severo racionamento de água e apagões elétricos são o novo status quo em grandes cidades de todo o Brasil, onde a sudeste pior seca em 35 anos tem dessecadas da região. Um novo estudo da NASA estima que a região perdeu uma média de 15 trilhões de litros de água por ano a partir de 2012 a 2015. leste do Brasil como um todo perdeu, em média, 28 trilhões de litros de água por ano sobre o mesmo período de tempo. Augusto Getirana, um hidrólogo no Goddard Space Flight Center da NASA, em Greenbelt, Maryland, analisou a quantidade de água armazenada em aquíferos e rios em todo o Brasil 2002-2015, interessados ​​em compreender a profundidade da atual seca. Uma nova visualização de dados de 13 anos de dados de GRACE mostra a distribuição de água em todo o Brasil. Azuis indicam aumentos na água, ocorrendo principalmente nas regiões ocidentais do Brasil na floresta tropical. Enquanto isso mostra vermelho, onde lojas de água têm diminuído, ocorrendo principalmente no norte e sudeste. No início da coleta de dados, em 2002, o Brasil estava saindo de uma seca que começou em 2000. Um período úmido seguido até 2012, quando as condições secas definir novamente devido à falta de chuva e as temperaturas habituais superiores, de acordo com dados suplementares. Sudeste do Brasil foi a mais atingida por condições de seca, disse Getirana. Para piorar a situação, o Brasil depende de rios que alimentam reservatórios e barragens que geram cerca de 75 por cento da energia elétrica para o país. Em setembro de 2014, por exemplo, o sistema de reservatório Cantareira, que fornece água para 8,8 milhões de pessoas na região metropolitana de São Paulo informou que ele estava cheio de 10,7 por cento de sua capacidade total, uma situação que levou a maior racionamento de água. Pesquisa: déficit hídrico extrema no Brasil detectado do espaço. Jornal: Hidrometeorologia, 27 de outubro de 2015. Link para papel: http://journals.ametsoc.org/doi/abs/10.1175/JHM-D-15-0096.1 metragem adicionais de: Itaipu Binacional Arquivos. Este vídeo é de domínio público e pode ser baixado em: http://svs.gsfc.nasa.gov/cgi-bin/details.cgi?aid=12035 Como nossos vídeos? Inscrever-se para Goddard Shorts HD podcast NASA: http://svs.gsfc.nasa.gov/vis/iTunes/f0004_index.html Ou encontrar NASA Goddard Space Flight Center no Facebook: http://www.facebook.com/NASA.GSFC Ou encontrar-nos no Twitter: http://twitter.com/NASAGoddard

GRACE Satélites da NASA Avaliam Seca no Sudeste do Brasil
Reservatórios vazios de água, severo racionamento de água e apagões elétricos são o novo status quo nas principais cidades do sudeste do Brasil, onde a pior seca em 35 anos tem dessecadas na região. Um novo estudo da NASA estima que a região perdeu uma média de 15 trilhões de litros de água por ano 2012-2015.
UGUSTO Getirana, um hidrólogo no Goddard Space Flight Center da NASA, em Greenbelt, Maryland, analisou a quantidade de água armazenada em aquíferos e rios em todo o Brasil 2002-2015, interessados ​​em compreender a profundidade da atual seca.

“As questões de condução deste trabalho são quanta água está faltando de cada região? E quando a seca começou?” disse Getirana. Os resultados foram publicados no Journal of Hidrometeorologia.

Para respondê-las, ele usou dados de satélites de recuperação Gravidade e Clima Experiment (GRACE) da NASA. O par de satélites orbitam a Terra em formação precisa e detectar mudanças no campo gravitacional da Terra. Alterações do campo de gravidade são causadas pelo movimento de grandes massas de gelo e água – incluindo água nos rios e no subsolo, o que permite aos cientistas controlar secas.

Uma nova visualização de dados de 13 anos de dados de GRACE mostra a distribuição de água em todo o Brasil. Azuis indicam aumentos na água, ocorrendo principalmente nas regiões ocidentais do Brasil na floresta tropical. Enquanto isso mostra vermelho, onde lojas de água têm diminuído, ocorrendo principalmente no norte e sudeste. No início da coleta de dados, em 2002, o Brasil estava saindo de uma seca que começou em 2000. Um período úmido seguido até 2012, quando as condições secas definir novamente devido à falta de chuva e as temperaturas habituais superiores, de acordo com dados suplementares.

Sudeste do Brasil foi a mais atingida por condições de seca, disse Getirana. Para piorar a situação, o Brasil depende de rios que alimentam reservatórios e barragens que geram cerca de 75 por cento da energia elétrica para o país.

“Um número de reservatórios e barragens do Brasil atingiram os seus níveis de água mais baixo desde 2005”, disse Getirana. Por exemplo, o sistema de reservatório de água Cantareira, que fornece água para 8,8 milhões de pessoas na região metropolitana de São Paulo informou que, até Setembro de 2014 foi repleto de 10,7 por cento de sua capacidade total.

Os 16 reservatórios examinados no estudo são pequenos demais para medir individualmente com dados a graça do espaço. Mas Getirana viu correlações entre as observações de satélite escala mais ampla de água eo restante em reservatórios que dão-lhe a esperança de que a combinação de dados de satélites com simulações do modelo no futuro será capaz de ajudar o Brasil e outros países propensas a secas monitorar seus recursos hídricos.

Leia o documento no Journal of Hidrometeorologia

Para obter mais informações sobre a missão GRACE da NASA, visite:

http://www.nasa.gov/grace

Ellen Cinza

Goddard Space Flight Center da NASA em Greenbelt, Maryland

Última Atualização: 28 de outubro de 2015
Editor: Karl Hille
Tags: terra, Goddard Space Flight Center, Grace (Experimento Gravidade recuperação e Clima), da água

http://journals.ametsoc.org/doi/abs/10.1175/JHM-D-15-0096.1

Anúncios
Posted in: Sem-categoria