Space Station Live: Cosmic Ray Detector for ISS

Posted on agosto 24, 2015

0


Space Station Live: Cosmic Ray Detector for ISS

 

Publicado em 19 de ago de 2015
NASA Comentador Pat Ryan fala com Dr. John Wefel da Louisiana State University sobre o Telescópio Electron Calorimétrico (Calet), uma missão de astrofísica que irá procurar por assinaturas de matéria escura e fornecer o mais alto de energia medições directas do espectro de elétrons de raios cósmicos. Wefel é um co-investigador no Calet, que está sendo realizado para a Estação Espacial Internacional a bordo do navio de abastecimento japonês, que lançou a partir do Centro Espacial Tanegashima no sul do Japão ontem de manhã, o tempo dos EUA, e que será instalado no facilidade expor do módulo Kibo para procurar os raios cósmicos de alta energia.

Assista Estação Espacial ao vivo, nos dias úteis às 11h Oriental.
http: //www.nasa.gov/multimedia/nasatv …

________________________________________
SIGA A Estação Espacial!

Twitter: https://twitter.com/Space_Station
Facebook: https://www.facebook.com/ISS
Instagram: https://instagram.com/iss/

 

http://ams.nasa.gov/

——————————————————————————————————————————————————————————————————————————-

Raios cósmicos galácticos

Raios cósmicos galácticos

Raios cósmicos galácticos (GCR) são a variação lenta, altamente energético fonte de partículas energéticas que bombardeiam constantemente Terra fundo. GCR origem fora do sistema solar e são provavelmente formada por eventos explosivos, tais como supernova. Estas partículas altamente energéticas consistem em essencialmente todos os elementos que varia a partir de hidrogénio, representando cerca de 89% do espectro GCR, para urânio, que é encontrado apenas em quantidades vestigiais. Estes núcleos são totalmente ionizado, ou seja, todos os elétrons foram arrancados a partir desses átomos. Devido a isto, estas partículas de interagir com e são influenciados por campos magnéticos. As fortes campos magnéticos do Sol modular o fluxo GCR e espectro na Terra.

Ao longo de um ciclo solar do vento solar modula a fracção das partículas GCR de baixa energia, tais que a maioria não pode penetrar a terra perto do máximo solar. Perto mínimo solar, na ausência de muitas ejeções de massa coronal e seus correspondentes campos magnéticos, as partículas GCR têm acesso mais fácil para a Terra. Assim como o ciclo solar segue um ciclo de aproximadamente 11 anos, o mesmo acontece com o GCR, com a sua máxima, no entanto, se aproximando do mínimo solar. Mas, ao contrário do ciclo solar, onde rajadas de actividade pode alterar o ambiente rapidamente, o espectro GCR permanece relativamente constante em energia e composição, variando-se apenas lentamente com o tempo. (Veja diminuição Forbush para mudanças de curto prazo do GCR relacionados ao espaço fortes eventos solares)

Estas partículas carregadas estão viajando em grandes frações da velocidade da luz e tem uma tremenda energia. Quando estas partículas atingem a atmosfera, grandes chuvas de partículas secundárias são criadas com alguns atingindo até mesmo no chão. Estas partículas representam pouca ameaça para os seres humanos e os sistemas em terra, mas eles podem ser medidos com instrumentos sensíveis. Próprio campo magnético da Terra também trabalha para proteger a Terra de estas partículas em grande parte, desviando-as longe das regiões equatoriais, mas fornecendo pouco ou nenhuma proteção, perto das regiões polares ou latitude acima de cerca de 55 graus magnética (latitude magnética e latitude geográfica diferir com a inclinação e deslocamento do campo magnético da Terra a partir do seu centro geográfico). Este chuveiro constante de partículas GCR em latitudes elevadas pode resultar em aumento da exposição de radiação para as tripulações e passageiros em altas latitudes e altitudes. Além disso, estas partículas podem facilmente atravessar ou parar em sistemas de satélite, por vezes, depositando energia suficiente para resultar em erros ou danos em eletrônica e sistemas da nave espacial.
Impactos Humanos: Satélites em passageiros espaciais e da tripulação a aeronave em altas latitudes (rotas polares)

Anúncios